Onde os smart savers vivem

3 min

Os poupadores na zona do euro são apanhados entre uma rocha e um lugar difícil: taxas de juros zero e inflação crescente. Por isso, a estratégia de investimento é importante. O retorno implícito sobre os ativos financeiros das famílias - referindo-se à soma total dos ganhos em valor e renda de investimento em relação aos portfólios - é um indicador intrigante para visualizar as diferenças marcantes nos comportamentos de poupança entre os países da zona do euro. Alguns preferem a segurança e, como consequência, precisam trabalhar duro para aumentar sua riqueza; outros aceitam riscos mais altos - e veem os mercados fazerem o trabalho pesado para eles. Nosso guia visual mostra o que separa as proteções inteligentes dos hard savers e onde elas vivem.

Os ativos financeiros das famílias aumentaram substancialmente na maioria dos países da zona euro desde 2003 - apesar da crise financeira e do euro. Basicamente, existem dois fatores de crescimento: economia e ganhos de valor, desencadeados, por exemplo, pelo aumento dos preços das ações ou títulos. A composição do crescimento difere significativamente entre os países. Enquanto na Irlanda mais de 90% do crescimento de ativos foi impulsionado por ganhos de valor, na Alemanha foram apenas 7%. Em média, 41% do crescimento de ativos é contabilizado por ganhos de valor.

Assim, cerca de 60% do crescimento de ativos é o resultado de novas economias. Basicamente, essas economias podem vir de investimento ou renda auferida. A utilização da receita de investimento é a maneira mais inteligente: os juros recebidos ou os dividendos são usados ​​para comprar novos ativos financeiros, às vezes até automaticamente (por exemplo, fundos com lucros acumulados). E se a renda do investimento for maior do que a economia desejada, parte dessa receita pode ser usada para sustentar o consumo. Por outro lado, se a poupança desejada exceder a receita de investimento, parte da receita obtida deve ser usada para fechar essa “lacuna de poupança”. Como consequência, menos renda ganha está disponível para consumo. Resumindo adequadamente: O dinheiro pode trabalhar para você (renda de investimento maior que a economia desejada) ou você precisa trabalhar pelo dinheiro (economias desejadas maiores do que as receitas de investimento).

Olhando para os países da zona euro, torna-se evidente que os agregados familiares em apenas dois países têm de usar o rendimento do trabalho para colmatar o seu défice de poupança: a Áustria e a Alemanha. Enquanto no primeiro, rendimentos imobiliários relativamente baixos são os culpados, no segundo, a alta taxa de poupança (ou seja, a alta poupança desejada) desempenha um papel fundamental. Em todos os outros países, os agregados familiares podem usar os rendimentos dos investimentos para estimular o consumo, em primeiro lugar nos Países Baixos.

Esforços de poupança consideráveis ​​em termos de rendimentos auferidos são uma maneira de compensar os baixos rendimentos de ativos, ou seja, eles compensam a falta de receita de investimento e ganhos de valor. Isto é claramente apoiado pelos dados: Para além da Grécia, a Alemanha e a Áustria, atingidas pela crise, registam os rendimentos mais baixos dos ativos, nomeadamente 2,8% e 2,9%, respectivamente, para o período desde 2003.

Quais são as razões para esses retornos ruins? Uma comparação entre a Espanha (rendimento de ativos de 5,1%) e a Alemanha (2,8%) é muito reveladora a esse respeito. Ambos os países observaram um aumento muito semelhante nos ativos financeiros de cerca de 70% per capita desde 2003. No entanto, no caso da Alemanha, um quarto do aumento resulta da poupança de rendimentos auferidos; Em contraste, a situação na Espanha: os domicílios não tocam em sua renda recebida para economizar, mas, em vez disso, usam metade de sua receita de investimento para consumo. Essas diferenças gritantes podem ser atribuídas a diferentes comportamentos de poupança, conforme refletido pelo mix da carteira. Em particular, um número se destaca: a participação do patrimônio das famílias alemãs no patrimônio líquido (listado e não listado) é de 7%; na Espanha, essa participação é mais de três vezes maior (22%).

Ganhos de valor alto ou baixo, rendimentos de investimento altos ou baixos: tudo depende de comportamentos de poupança. A mentalidade de poupanças conservadoras dos lares alemães é prejudicial não só para o rendimento dos investimentos - em particular num ambiente com taxa de juro nula - mas também para ganhos de valor: menor exposição ao patrimônio simultaneamente priva os poupadores alemães da oportunidade de embolsar rendimentos de investimento independentes dos juros bem como para participar em ganhos de maior valor.

Conclusão: Os ativos financeiros podem crescer mesmo em um ambiente de taxa de juros zero. Há duas maneiras pelas quais isso pode acontecer: ou os poupadores geram retornos elevados mais concentrados em seu comportamento de investimento nos mercados de capitais ou injetam mais de sua renda auferida em poupança. É uma escolha entre poupança inteligente e difícil.