Chile: Riscos contidos, mas protestos continuam

2 min
Georges Dib
Georges Dib Economist for Latin America, Spain and Portugal
Manfred Stamer
Manfred Stamer Senior Economist for Emerging Europe and the Middle East

Desde 18 de outubro de 2019, o Chile tem vivido os protestos mais violentos dos últimos 30 anos. Embora o estopim dos protestos tenha sido o aumento na tarifa do metrô em Santiago, as raízes dessa insatisfação popular incluem a elevada desigualdade de renda (a mais alta entre países da OCDE) e os esforços da classe média para escapar da precariedade, apesar do robusto crescimento econômico (em média, +3,1% ao longo da última década).

Nas próximas semanas, os riscos de saques continuam elevados e é provável que haja grandes interrupções no transporte e na cadeia de suprimentos. Pequenas empresas em setores específicos como transporte público, supermercados e varejo podem enfrentar problemas financeiros. Portanto, o governo implementou uma "nova agenda social", comprometendo-se a elevar a aposentadoria mínima em 20%, cortar os preços dos medicamentos para os pobres e garantir um salário mensal mínimo de 480 dólares. Para financiar essa agenda, o Presidente Piñera anunciou que elevaria o imposto de renda de 35% para 40% para aqueles que ganham mais de 11 mil dólares por mês e cortaria os salários do funcionários público.

Vemos pouco impacto relevante sobre a atividade econômica nacional até o momento. Ainda assim, os protestos continuam. Se as greves continuarem, especialmente na maior mina de cobre do país, podemos ver um impacto negativo mais forte afetando o crescimento, como em 2017.