EUA: Fed em suspensão, consumidores avançam

3 min
Dan North
Dan North Senior Economist for North America

O Federal Reserve deixou as taxas de juros inalteradas, mas mencionou preocupações de que as medidas da inflação “decaíram e estão abaixo de 2 por cento” (a meta do Fed). A inflação passou por tranquilos +1,5% a/a em março. Powell, presidente do Fed, descreveu a situação como sendo “transitória”, um comentário que foi interpretado por alguns como indicativo da baixa probabilidade de uma redução na taxa de juros este ano – assim, a probabilidade de um corte na taxa caiu de 66% para 53%. O relatório ISM para manufaturas em abril caiu -2,5 pontos, chegando ao seu nível mais baixo em 31 meses. Os novos pedidos caíram acentuados -5,7 pontos, chegando a 51,7; resultados abaixo de 50 indicam uma contração. Sete dos dez componentes caíram, com apenas seis deles ficando acima de 50. A renda disponível real caiu -0,2% m/m em março, a segunda queda em três meses, colocando a taxa a/a a +2,3%, o nível mais baixo em dois anos. Em contraposição a isso, o consumo pessoal cresceu +0,7% m/m, colocando a taxa a/a a +2,9%. A confiança do consumidor cresceu +5,0 pontos, chegando a 129,2, e embora isso esteja abaixo dos níveis elevados da história recente, ainda se trata de uma marca forte em termos históricos. O crescimento do PIB no primeiro trimestre de 2019 foi mais forte do que o esperado a +3,2% t/t anualizado, mas os detalhes foram insuficientes. Boa parte desse aumento foi impulsionada pelo terceiro aumento consecutivo nos estoques, e uma acentuada queda nas importações – e ambos indicam uma demanda mais fraca.