EUA: Recuperação do emprego

3 min
Dan North
Dan North Senior Economist for North America

O relatório de empregos dos EUA em março foi razoavelmente sólido, permitindo uma perspectiva mais positiva após o relatório excepcionalmente fraco de fevereiro. Foram criados mais de 196 mil empregos, acima da expectativa de aproximadamente 170 mil, e superior ao resultado de 33 mil em fevereiro. Tanto a taxa de desemprego quanto a taxa de subemprego permaneceram em níveis bastante baixos de 3,8% e 7,3%, respectivamente, refletindo numa melhora em ganhos de empregos . Apesar destes sinais positivos, houve alguns detalhes preocupantes. Esperava-se uma recuperação na indústria, mas, ao invés disso, o setor perdeu 6 mil empregos, o pior desempenho em 32 meses. Os ganhos salariais foram fracos e levaram a taxa anualizada de +3,4% para +3,2%. A criação de empregos em fevereiro foi revisada positivamente de +20 mil para +33 mil, porém manteve o índice em um patamar muito baixo. Por fim, a força de trabalho apresentou queda pelo terceiro mês consecutivo, levando a taxa de participação de 63,2% para 63,0%. Apesar dos últimos resultados apresentados, as estimativas ainda são positivas. O relatório traz boas perspectivas mesmo após o relatório do mês passado e a insatifatória performance nas vendas de varejo, bens duráveis e serviços.