Europa: uma em cada quatro empresas precisará de apoio fiscal em 2021

24 de novembro de 2020

A primeira onda da COVID-19 causou um choque maior do que o esperado na lucratividade das empresas europeias na primeira metade de 2020. A margem de lucratividade cumulativa declinou -7pp na França, -5.2pp na Espanha e -1.3pp na Holanda, comparado com +1.1pp na Alemanha, +2pp na Bélgica e +5pp na Itália (Figura 1).  Dois terços da queda do indicador francês, pode ser atribuído aos impostos de produção, que dobraram no segundo tri (para EUR 22 bi), enquanto, na Alemanha, permaneceram estáveis (em EUR 3 bi). Como consequência, e excluindo os empréstimos garantidos pelo governo francês (mais de EUR 120 bi vs EUR 50 bi na Alemanha), as empresas francesas tiveram muito menos caixa no segundo tri em comparação com seus pares europeus (Figura 2).

Figura 1: Margens das empresas não financeiras (pp), H1 2020 vs níveis pré-crise

Fontes: Eurostat, Allianz Research
Figura 2: Poupança líquida, ou seja, dinheiro de atividades operacionais, EURbi
Fontes: Eurostat, Allianz Research

Com a segunda onda de lockdowns, nós esperamos um forte impacto nos setores sensíveis a Covid-19 em toda a Zona do Euro. Essas indústrias podem apresentar perdas operacionais médias de -15% a -20% em 2020, ao comparamos com os níveis pré-crise. A ausência de apoio fiscal e o medo de contrair mais dívidas, podem secar as reservas financeiras e colocar cerca de 4,1 milhões de empresas europeias em uma crise de fluxo de caixa. Uma em cada quatro empresas na Alemanha e na França está diretamente exposta às restrições sanitárias da Covid-19 contra uma em cada cinco empresas na Bélgica e na Holanda. No total, o faturamento combinado das empresas expostas excede EUR 4,3 tri (Figura 3).

Figura 3: Importância econômica dos setores sensíveis da Covid-19

Fontes: Eurostat, Allianz Research

Como estimamos que a queda nas receitas atinja -20% em média na União Europeia, o impacto no resultado financeiro das empresas será sem precedentes. E o atual aumento no caixa (Figura 4), desencadeado por empréstimos dos governos, não será suficiente para compensar os atrasos de pagamento em 2021. Além disso, esperamos que os países adotem uma postura mais cautelosa para sair dos lockdowns (nenhum relaxamento significativo antes da Páscoa) com o objetivo de evitar uma terceira onda. Isso significa que a atividade no primeiro semestre de 2021 pode se provar mais lenta em comparação com o terceiro tri de 2020.

Figura 4: Estimativa do excesso de caixa das empresas não financeiras, ou seja, caixa das atividades operacionais + novos empréstimos bancários - investimento fixo bruto (EURbi)

Fontes: Eurostat, Allianz Research
Consequentemente, as medidas políticas precisam atender as empresas que estão presas entre perda de receita/vendas e despesas obrigatórias, como impostos/dívidas. Na maioria dos países europeus os empréstimos foram prolongados até março-junho de 2021. Os governos precisarão adiar ou perdoar os pagamentos de impostos para evitar uma onda de demissões e insolvências.
Envie seu Feedback
Contate nossa Equipe
Perguntas Frequentes