Ano do Porco: A Belt And Road Initiative Chinesa pode salvar o mundo de uma luta na lama?

5 min
Mahamoud Islam
Mahamoud Islam Senior Economist for Asia
  • Nascida no final de 2013, a iniciativa Belt and Road (BRI) é uma estratégia de desenvolvimento e cooperação lançada pela China. Inclui mais de 80 países, principalmente da Ásia, Europa e África, e abrange uma área que representa quase 36% do PIB mundial, 68% da população mundial e 41% do comércio global.
  • Esperamos que os fluxos de comércio de mercadorias entre a China e os parceiros da BRI cresçam em +117 bilhões de dólares em 2019 (após uma estimativa de +158 bilhões de dólares em 2018). Isso e impulsionar o comércio global em +0,3pp, adicionaria +0,1pp ao PIB global em 2019.
  • Para a China, as exportações para os mercados BRI deverão crescer em +USD56 bilhões em 2019 (após +USD76 bilhões em 2018). A BRI apoiará: internacionalização de negócios, redução de excesso de capacidade, modernização econômica, internacionalização de RMB e redução de desequilíbrios regionais. As províncias da China Central e Ocidental provavelmente serão os primeiros vencedores diretos do projeto.
  • Para os países parceiros, vemos o impacto triplicar: um aumento de capital (já +410 bilhões de investimentos chineses para o BRI em 2014-18), um aumento na demanda externa (+US$ 61 bilhões adicionais para a China em 2019) e uma melhora na competitividade para reduzir o custo de transporte de custos de transação e tempo de viagem, por exemplo) e melhor infraestrutura. A ASEAN e o mercado da Europa Oriental estão melhor posicionados para aproveitar o projeto.
  • No entanto, o BRI não será um passeio no parque. Três desafios permanecem sem solução:
    • Sustentabilidade financeira, dados os limitados recursos financeiros da China (total de dívida não financeira com 253% do PIB) e somente controle parcial sobre os riscos indiretos nos mercados de BRI (risco-país, por exemplo). As necessidades de financiamento são consideráveis. Estimamos que a necessidade de capital para financiar infraestrutura para a Ásia (excluindo a China), Europa e África combinada seria de US$1,7 trilhão por ano.
    • Riscos legais e regulatórios, dada a ausência de um marco regulatório uniforme entre países com diferentes regimes jurídicos (lei comum, lei continental, lei islâmica). Isso cria incerteza e complexidade para o comércio e o investimento transfronteiriço.
    • Riscos políticos, como tensões políticas entre membros da BRI (Arábia Saudita-Irã, Índia-Paquistão), alguns membros da BRI com a China (Índia ou ASEAN vs China, por exemplo) e batalhas por influência com outras superpotências (com EUA, União Europeia) dificultam parcerias.