Preocupações Políticas, Crescimento em Estagnação e um Ciclo Antiliberal

5 min
Ludovic Subran
Ludovic Subran Chief Economist
Alexis Garatti
Alexis Garatti Head of Macroeconomic Research
Ana Boata
Ana Boata Senior Economist for Europe
Georges Dib
Georges Dib Economist for Latin America, Spain and Portugal
  • Em 2019-2020, formuladores de políticas e um novo impulso fiscal ajudarão a evitar uma recessão global, mas a estagnação do crescimento – com a atividade caindo ao nível mais baixo no primeiro trimestre de 2020 –o padrão, nos lembra o ritmo apático de 2015-2016. A escalada dos riscos políticos (rivalidade EUA-China, Brexit, novo governo italiano) atingiu os níveis de recessão visíveis na primeira metade do ano no comércio, no setor manufatureiro e em dezenas de segmentos. No futuro próximo, nosso cenário de base ainda prevê uma queda suave (+2,4% em 2020, caindo em relação a +2,5% em 2019 e +3,1% em 2018). Em 2020, os EUA devem desacelerar a +1,6%, a Zona do Euro a +1,0% e a China a +6,1%. O comércio global de mercadorias e serviços crescerá em +1,7%, o nível mais baixo desde 2009. Os consumidores serão uma fonte de resiliência (baixo desemprego e poupança elevada) e os setores de serviços e construção civil, ajudarão a recuperar o primeiro semestre de 2020, até que a flexibilização das condições monetárias e o risco político mais baixo ajudem o setor manufatureiro a se recuperar no segundo semestre de 2020.
 
  • Dessa vez, espera-se mercados mais voláteis e fluxos de capital instáveis, uma vez que nosso mundo fragmentado entrou em um “Ciclo Antiliberal”. O baixo crescimento e a baixa inflação podem ocultar uma influência mais direta dos riscos políticos sobre os mercados financeiros, além da necessidade de se gerenciar externalidades negativas de formuladores de políticas excessivamente intervencionistas. Embora antecipemos um eventual pragmatismo nas tensões comerciais entre EUA e China; um adiamento de última hora do Artigo 50 no Reino Unido; erros de governos neo-autoritários em mercados emergentes; as políticas fiscal e monetária – além das políticas tributárias, de tecnologia e de concorrência – continuarão a ser usadas para compensar incertezas comerciais ou ganhar eleições. No entanto, essas políticas trarão cada vez menos retornos, dado o aumento das vulnerabilidades no setor privado e nos mercados de capitais. Um mundo mais fragmentado também representa mais volatilidade para os preços de commodities (~70$/bbl para o petróleo), moedas (depreciação de 3-5% em média) e fluxos de capital para mercados emergentes. Para sair desses limbos, há duas possibilidades positivas e dois riscos. Os desenvolvimentos positivos potenciais incluem: uma divisão eleitoral nos EUA em 2020, com uma moratória sobre o protecionismo e uma resposta fiscal notável da Europa, acompanhando os Estados Unidos. Isso exigiria uma normalização rápida por parte dos bancos centrais para evitar a medidas excessivas. Do lado negativo: um evento de crédito de uma empresa “zombie” nos EUA, por exemplo, uma alteração política relevante e uma guerra comercial e cambial declarada entre os EUA e a China, podem ativar uma recessão.
 
  • O que isso significa para os mercados? Além do aumento da volatilidade, será difícil entender a direção dos mercados globais. Historicamente, os ativos de renda fixa tiveram o melhor desempenho nos períodos cíclicos tardios. Uma derrocada grave na economia levaria os mercados acionários a uma correção negativa de dois dígitos. Os bancos centrais superexpansionistas manterão os rendimentos dos títulos a níveis muito baixos. A incerteza contínua empurraria os preços do ouro para níveis mais altos, ainda que, no momento, não haja confiança suficiente para adotar especulações na alta. A maior volatilidade do conflito comercial entre EUA e China manterá o dólar forte.
 
  • O que isso significa para as empresas? Nosso Índice de Insolvência Global deve aumentar em +8%, tanto em 2019 quanto em 2020, com uma elevação ainda notável na Ásia, uma recaída na Europa Ocidental e uma inversão de tendência na América do Norte.