Airbus se compromete a criar avião movido a hidrogênio até 2035

09 de outubro de 2020

No mês passado, a Airbus anunciou sua meta de construir uma nova aeronave de emissão zero até 2035. Devido ao seu posicionamento quase exclusivo no setor aeroespacial europeu, a empresa está disposta a enfrentar desafios, mesmo com o desafio da Covid-19 a frente.

O objetivo é testar três protótipos: um motor turbojato (para 120 a 200 passageiros), um turboélice (até 100 passageiros) e uma asa voadora (até 200 passageiros), e dar continuidade a um desses projetos - o que deve custar cerca de 20 bilhões de euros. Para desenvolver seu novo avião, a Airbus precisa estender seu ecossistema convencional para incluir instalações de produção de hidrogênio e uma rede de distribuição associada. Dessa forma, terá que trabalhar com empresas terceiras experientes no setor, como a Safran, e empresas que buscam desenvolver seu próprio canal de hidrogênio.

Para dar um pontapé inicial, a França anunciou um plano de apoio de 15 bilhões de euros para a indústria aeronáutica nacional. Embora esse plano tenha sido projetado para manter a indústria de pé, EUR 1,5 bilhão foi alocado para investimentos em P&D aeroespacial nos próximos três anos, para encorajar a transição energética do setor. Mais EUR 7 bilhões foram reservados para desenvolver especificamente o setor de hidrogênio em todos os tipos de transporte (jato, caminhão e carro).

No entanto, o uso de hidrogênio como um novo combustível (de aviação) apresenta inúmeros desafios: ele deve ser armazenado em forma líquida a -253°C, o que requer a implementação de um sistema criogênico pesado. Além disso, é preciso usar um volume quatro vezes maior de hidrogênio, em comparação com o de querosene, para obter um desempenho semelhante na propulsão. Essas características exigirão que a Airbus reformule todos os seus aviões futuros para integrar um sistema eficiente de armazenamento de hidrogênio a bordo.

Além disso, o hidrogênio é produzido sobretudo por meio de fontes de energia de combustível fóssil, portanto, para atingir seu plano de viagens com emissão zero, a Airbus, ao lado de toda a cadeia de suprimentos dos participantes aeroespaciais, precisaria encontrar uma maneira de produzir hidrogênio por meio de fontes de energia renováveis. No geral, as despesas de capital previstas para os principais fornecedores aeroespaciais no mundo chegam a USD 8 bilhões por ano. Especialmente na esteira da crise da Covid-19, isso parece estar muito longe de ser o bastante para permitir que haja um avião movido a hidrogênio até 2035.

Envie seu Feedback
Contate nossa Equipe
Perguntas Frequentes