image

Na América Latina, os últimos serão os primeiros

23 de setembro de 2020

Os dados mais recentes e os indicadores de alta frequência sugerem que a atividade econômica na América Latina atingiu o fundo do poço em maio, e a curva de casos de COVID-19 parece finalmente estar se achatando.

Revisamos nossa projeção de recessão em -1pp para -7,5% em 2020, principalmente devido às perspectivas revisadas no México (-9,8% em 2020), Argentina (-8,6%) e Peru (-15%), apesar do aumento de +0,5pp na projeção do Brasil (-6,5%). No entanto, os países que saíram do lockdown primeiro são os que mais devem enfrentar dificuldades devido a suas bases econômicas.

De fato, ao avaliar o rigor dos procedimentos de lockdown no terceiro trimestre, a exposição à recuperação chinesa e americana, o índice de atividade diária e o suporte monetário e fiscal, Brasil e México parecem ter uma recuperação mais rápida, enquanto Chile, Colômbia e Argentina parecem ficar para trás.

No entanto, os dados sobre os fundamentos pré-Covid, impulso para reformas estruturais, sustentabilidade da dívida e riscos sociais sugerem que Brasil e México percam as suas posições no médio prazo. Estimamos que o PIB da América Latina atingirá +3,2% em 2021.